Corona VírusGoverno de MinasMinas Gerais
Tendência

Prefeitos e gestores locais de saúde deverão tomar decisões de acordo com os indicadores do Novo Minas Consciente

Critérios de progressão foram agrupados mantendo foco principal na saúde da população.

Os indicadores que norteiam a progressão de ondas do plano Minas Consciente foram reorganizados para darem um panorama mais amplo, claro e sistematizado dos protocolos e critérios a serem seguidos nas cidades mineiras.

O objetivo é facilitar o entendimento e a tomada de decisões por parte dos prefeitos e gestores municipais. Os dados, que incluem as taxas de incidência da covid-19 e a ocupação de leitos nas regiões, serão divulgados semanalmente pelo Governo de Minas.
A medida faz parte das novas regras do plano de retomada econômica, que foi reformulado para atender melhor às necessidades específicas das cidades mineiras. As mudanças passam a valer na próxima quinta-feira (6/8).

Basicamente os balizadores e indicadores da versão inicial do Minas Consciente foram mantidos e reagrupados, agora como indicadores, propiciando maior clareza.
A mudança feita, nesta nova versão do plano, elaborada após consulta pública que contou com 630 colaborações, mantém como foco principal a saúde da população e um criterioso acompanhamento dos dados de todo o estado.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo, o novo formato agrupou alguns critérios de progressão para simplificar a divulgação.
“Basicamente, dividimos os indicadores que eram utilizados anteriormente em três grupos maiores. Temos agora o grupo de critérios relacionados à incidência dos casos e à taxa de transmissão. Outro grupo com os critérios assistenciais, como disponibilidade e ocupação de leitos. E um grupo que contempla a evolução da doença. Com isso, buscamos ser mais amplos, mais precisos e trazer uma única informação para cada região, facilitando a tomada de decisão de prefeitos e gestores locais”, explicou.
Indicadores

A partir de agora, os dados utilizados pelo Governo de Minas para definir a progressão das ondas e a possibilidade de reabertura incluirão a taxa de incidência da covid-19; taxa de ocupação de leitos UTI Adulto; taxa de ocupação de leitos por covid-19; quantidade de leitos por 100 mil habitantes; positividade atual RT-PCR; % de aumento da incidência; % de aumento da positividade dos exames PCR.

Os dados serão divulgados tanto por macrorregião de Saúde quanto por microrregião do Minas Consciente e serão utilizados para nortear a tomada de decisão semanal. A evolução das ondas deverá ser avaliada a cada sete dias, para os que estiverem na primeira fase (serviços essenciais) e a cada 28 dias para os que estiverem na segunda fase (serviços não essenciais).

Etiquetas
Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar